25 de Abril (O contador de Histórias)

Posted: 24/04/2010 in Histórias

Zeca Afonso

Nascido em, 2 de Agosto de 1929, José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, mais conhecido por Zeca Afonso, compositor e cantor Português, viu algumas das suas letras censuradas, “Os Vampiros” e “Trovas do vento que passa”, foram duas das primeiras a serem proibidas pelo regime. A partir da década de 60 Zeca Afonso, viria a tornar-se um dos símbolos de resistência Antifascista Por meados dos anos 60 foi várias vezes detido, por se dedicar à luta anticolonialista. Nos finais de 1970, foi leccionar para Setúbal, onde viria a ser expulso do ensino por ser um activista contra o regime.
Várias vezes foi preso pela PIDE, até que em 1971 grava a música “Grândola, Vila Morena “, Musica que veio a ser um dos símbolos da Revolução de Abril.
Um dos últimos actos políticos de Zeca Afonso, foi o apoio a Maria de Lurdes Pintasilgo, candidata à Presidência da República de Portugal.
José Afonso morreu no dia 23 de Fevereiro de 1987 no Hospital de Setúbal, às 3 horas da madrugada, vítima de esclerose lateral amiotrófica.

F-stop= F3.2* Tempo de exposição= 1/800* Iso200 *Extenção de focagem=38mm * sem flash*Passo EV 0


Com aquele olhar de quem guarda muitas recordações, fala meiga e muito simpático, humilde ao ponto de dizer:
“Fotografem ali.”
Apontando com o dedo para uma casa antiga do outro lado das escadarias da Sé velha de Coimbra, “ali sim, ali é que merece ser fotografado!…”
“Ali viveu Zeca Afonso, esse sim devem fotografar, recorda-me quando se sentava nestas escadas a tocar viola e a cantar, era uma maravilha.”

F-stop= F3.2* Tempo de exposição= 1/1000* Iso200 *Extenção de focagem=40mm * sem flash*Passo EV 0

Este Senhor, a quem eu agradeço por se ter deixado fotografar, além de ficar muito bem nos retratos, privou de perto com Zeca Afonso, ali mesmo, nas escadarias da Sé, onde passavam horas a ouvir as músicas cantadas e tocadas por Zeca Afonso. Para este Senhor que o nome não me recorda, bem-haja. ******************************************
Zeca Afonso – Maio, Maduro Maio

Maio maduro Maio, quem te pintou
Quem te quebrou o encanto, nunca te amou

Raiava o sol já no Sul, Ti ri tu ri tu ri tu ru Ti ri tu ru tu ru
E uma falua vinha lá de Istambul

Sempre depois da sesta chamando as flores
Era o dia da festa Maio de amores
Era o dia de cantar, Ti ri tu ri tu ri tu ru Ti ri tu ru tu ru
E uma falua andava ao longe a varar

Maio com meu amigo quem dera já
Sempre no mês do trigo se cantará
Qu’importa a fúria do mar, Ti ri tu ri tu ri tu ru Ti ri tu ru tu ru
Que a voz não te esmoreça vamos lutar

Numa rua comprida El-rei pastor
Vende o soro da vida que mata a dor
Anda ver, Maio nasceu, Ti ri tu ri tu ri tu ru Ti ri tu ru tu ru
Que a voz não te esmoreça a turba rompeu

Comentários
  1. efeneto diz:

    Por vezes não interessam os rostos, fica a homenagem e a intenção.
    Bela homenagem ao 25 de Abril. Diferente e atraente.
    Abraço aos 3.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s