Acidente ferroviário de Alcafache, 25 anos depois.

Posted: 12/09/2010 in Comemorações, Histórias
Tags:

Monumento às vitimas do acidente de Alcafache


João Marques, bombeiro de Canas de Senhorim, tinha 36 anos e estava nesse fim de tarde a apagar um incêndio florestal a seis quilómetros de Alcafache. Também pura rotina, numa região em que nos dias de calor os fogos se multiplicam pelo mato. Por isso, o mais natural era que a coluna de fumo lá para os lados da via férrea fosse mais um incêndio igual aos outros.

Abertura das comemorações com a Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Canas de Senhorim


O grupo de bombeiros acabou o que estava a fazer e só depois é que seguiu para o local. “Naquele tempo as comunicações rádio não tinham a mesma fiabilidade, havia muitas interferências e ouvia-se mal”, conta João Marques, hoje comandante daquela corporação. “Só o homem que estava na viatura junto ao rádio é que começou a perceber melhor o que estava a acontecer e gritou-nos: “Vamos despachar isto, que há um comboio a arder perto de Alcafache.”” E partiram. “Eu não me passava pela cabeça o que iria encontrar. Só imaginava que era um comboio de mercadorias. Mas tivemos logo uma “vacina” que nos preparou para o resto – o cadáver de uma senhora, queimada.” E mais à frente os dois comboios – de passageiros – a arder.

Linha da Beira Alta, Alcafache


Os homens ficaram com a tarefa de extinguir o incêndio florestal que tinha deflagrado em ambos os lados da linha e só meia hora depois é que se aproximaram das carruagens. “Nessa altura já tinham saído muitas ambulâncias e a fase do pânico e dos gritos já tinha passado. Mas vi pelas caras dos meus colegas que aquilo era uma situação aterradora, tinham um ar estupefacto e alguns choravam…”

João Marques já viu muita coisa em dezenas de anos de bombeiro, mas estas recordações… Faz uma pausa, baixa a cabeça e quando a levanta tem os olhos húmidos e a voz treme-lhe. Para este bombeiro o 11 de Setembro já há muito era uma data marcante, muito antes de este dia ser conhecido pelo atentado nas torres gémeas.

Nas horas seguintes ao acidente tratou-se de evacuar os feridos para Mangualde, Nelas, Viseu. “Até que o nosso comandante, Américo Borges, nos disse que já estava tudo feito pelos vivos.” A tarefa seguinte era remover os destroços.
IN: Jornal Publico 11/09/2010

Missa em honra das vitimas


O comandante estava nesse dia na central de comunicações dos bombeiros de Canas. O médico Américo Borges passava sempre por ali, quando saía do consultório, para se inteirar dos incêndios florestais do momento. Foi então que ouviu um alerta enviado por uma ambulância de Aguiar da Beira que, por acaso, passara no local no momento do choque: “Enviem muitas ambulâncias para a estrada Nelas-Mangualde!” Um pedido insistente, repetido, sem dar hipóteses de diálogo, pois na rádio só podia falar um de cada vez. “Pensei num acidente com autocarro. Nunca me lembrei que poderia ser um comboio”, conta Américo Borges. Até que a mesma ambulância faz novo pedido: “Enviem autotanques que as carruagens estão a arder.”

Formatura de corporações de Bombeiros

O comandante percebeu então que era um acidente ferroviário e partiu para o local para coordenar o socorro. Sem farda, sem botas, calçado com uns sapatos de corda. “Vi corpos completamente carbonizados, as carruagens a arder, as locomotivas descarriladas”, conta. Curiosamente, a primeira carruagem do Internacional não ardeu, apesar de as três seguintes terem ficado calcinadas. Na primeira, uma carruagem-couchete onde as pessoas viajavam deitadas, Américo Borges só contou quatro dos 10 compartimentos. Os restantes tinham ficado completamente espalmados.

Foi nesta carruagem que se procedeu ao salvamento de uma senhora que tinha ficado encarcerada. “Com o embate, o corpo ficou protegido pelo colchão. Os outros ocupantes do compartimento morreram, mas esta senhora conseguimos tirá-la pela janela. Que coragem! Dizia-nos: “Tenham calma, tirem-me quando puderem.””

Campa comum

O operacional conta que algumas carruagens não arderam logo e que houve pessoas que morreram queimadas porque voltaram para dentro para recuperar os seus haveres, tendo sido apanhadas pelo deflagrar das chamas. E fala na solidariedade dos bombeiros, que chegaram a ser várias centenas no local, pois acorreram inúmeras corporações. “Dois dias antes tinham morrido em Armamar 14 bombeiros e eu acho que isso criou um reforço ainda maior ao lema Vida por Vida que explicou actos de heroicidade que ali foram cometidos”, diz. “A GNR portou-se exemplarmente, porque abriu rapidamente um caminho de evacuação para os feridos. Naquela altura o IP5 estava construído, mas não tinha sido aberto ao tráfego e foi por lá que se chegou mais rapidamente ao hospital de Viseu.”

O número indeterminado de mortos deste acidente tem contribuído para o tornar mais lendário. Américo Borges diz que ele próprio contou 58 corpos, embora estime as vítimas mortais à volta de uma centena. E explica, com uma fria precisão científica, o desaparecimento dos outros: “Com a carbonização dos corpos e a quantidade de água que foi introduzida nas carruagens, as cinzas ficaram solubilizadas.” Isto é, desapareceram, varridas pela água. De resto, a temperatura do incêndio ultrapassou os mil graus. Já o inquérito da CP refere 49 mortos, sendo esse o número oficial divulgado pela transportadora, que ainda não tornou público o relatório do acidente. A mesma fonte da comissão de inquérito não enjeita que tenha havido mais, mas explica que foi esse o número apurado pelos serviços jurídicos da empresa e com o qual se trabalhou nos tribunais.

Entidades oficiais


Há 25 anos, as técnicas forenses não estavam tão desenvolvidas, houve cadáveres não reclamados e estão enterradas no cemitério de Mangualde urnas com pedaços de corpos que foram retirados dos destroços.
IN: Jornal Publico 11/09/2010

Alguns Bombeiros de Canas de Senhorim


“CORPOS FICARAM BOLA DE CINZA”

Américo Borges, ex-comandante dos Bombeiros de Canas de Senhorim, foi quem coordenou as operações de socorro. Ontem, não esteve presente na cerimónia mas também ele ainda não varreu da memória o “espectáculo dantesco” que encontrou e no qual teve de trabalhar “muitas horas”. “Os corpos ficaram transformados em bolas de cinza, outros diluídos no ferro derretido pelo fogo”, descreve Américo Borges, agora médico do INEM, que não esquece a imagem de uma mulher presa na chapa “a pedir calma aos bombeiros”.
IN: Correio da Manhã 12/09/2010

CONTINUA EM BREVE

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s