Face Oculta: Namércio só tinha papel subalterno, diz a sua defesa – Sociedade – PUBLICO.PT

Posted: 15/02/2012 in Canas de Senhorim, Imprensa, Informação
Tags: , , ,

A defesa de Narmércio Cunha no processo Face Oculta considerou nesta terça-feira que o arguido “esclareceu o tribunal” sobre as acusações que lhe são imputadas, nomeadamente que se limitava a “cumprir ordens”.

“Tenho a certeza de que esclareceu o tribunal”, disse Dália Martins, em declarações aos jornalistas após a 22.ª sessão de julgamento, que praticamente marcou o fecho do depoimento do antigo director comercial da O2, uma das empresas do sucateiro Manuel Godinho.

“O Dr. Namércio apenas referiu ao tribunal a verdade. Ele cumpria as ordens que lhe davam. Era essa a sua obrigação”, acrescentou, reiterando a tese do seu cliente segundo a qual funcionou, “em determinadas situações, um pau mandado”.

Namércio – que está acusado por um crime de associação criminosa e por outro de corrupção activa para ato ilícito – concluirá quarta-feira de manhã o depoimento iniciado há seis sessões.

Nas declarações aos jornalistas, a advogada insistiu que Namércio “não teve proximidade nenhuma” com o Ministério Público e disse que “cada um faz o seu papel” no julgamento.

Precisamente nesta sessão, o procurador Marques Vidal assumiu um tom irónico, quando quis fazer crer que Namércio estaria a par de fraudes no caso dos resíduos da central de Alto Mira.

O procurador sugeriu que o arguido conheceria, nomeadamente, o caso dos chamados ‘camiões supersónicos’ que conseguiriam vencer a distância daquela infraestrutura até Canas de Senhorim em 47 minutos.

No entanto, Namércio não o assumiu e voltou ao tom de sempre, insistindo em desvalorizar o seu papel nas empresas de Manuel Godinho e negando que funcionasse como “braço direito” do sucateiro.

“Havia questões que não me diziam respeito” sobre as quais “não me atrevia a questioná-lo”, disse, numa referência ao seu ex-patrão.

Namércio afirmou que o sucateiro revelava, por vezes, “comportamentos irreflectidos”, aos quais nunca reagia a quente.

Mesmo assim, ainda chegou a colocar o seu lugar à disposição do sucateiro, que lhe reiterou a confiança.

Também lhe atribuiu generosas gratificações, que somaram 50 a 60 mil euros em sete anos de actividade, excluindo o montante que lhe concedeu a titulo de prenda de casamento e o que lhe forneceu para socorrer a editora Caderno Digital, a que Namésio estava ligado.

O arguido recusou que essas gratificações se destinassem a premiar um hipotético desempenho profissional à margem da lei.

Retirado de: Jornal Público

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s